Poder Executivo

Aldeia guarani em Ubatuba completa 50 anos

Aldeia guarani em Ubatuba completa 50 anos

A aldeia Guarani Mbya da Boa Vista, localizada no bairro Prumirim, em Ubatuba, completa 50 anos este ano. Para celebrar a data, a comunidade organiza nos dias 13 e 14 de março uma celebração com o tema “Resistência e reconhecimento territorial”.

A programação inclui diversas atividades como pintura corporal, canto e danças indígenas, rodas de conversas com o cacique Altino Wera Mirim e remanescentes sobre a caminhada sagrada que levou à fundação da aldeia e sobre o contexto atual, café da manhã e almoço típicos, exibição de documentário

O evento é uma realização da Comissão Guarani Yvyrupa e Associação Indígena Tembiguai, com apoio da Prefeitura de Ubatuba, por meio da Fundação de Arte e Cultura (Fundart), Funai, PROAC, Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina / Fundação Osvaldo Cruz, Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra, Paraty e Ubatuba.

A festa acontecerá sexta (13) e sábado (14), das 8h30 às 18h, na aldeia, que fica na entrada km 29,5 da BR 101 (subir 1,5km de estrada de terra). Há uma entrada de R$ 10,00, que cobre a alimentação, a pintura facial e apresentações culturais. À parte, será possível comprar artesanato indígena e realizar pintura corporal. É necessário levar cangas, esteiras, lanternas, copo, prato e talher, repelente e maiô em caso de visita na cachoeira (permitida apenas com monitores da comunidade).

Confira a programação completa:

Sexta-feira, 13 de março de 2020

08h30 às 09h30 – Café da manhã típico

09h30 às 10h – Pintura corporal, sob coordenação de Mirim Valdeci, Adelino Mimbi e Alex Karai

10h às 10h20 – Abertura – Canto e dança Nhamandu Nhemompu’ã, sob coordenação Ailton Wera

10h20 às 11h – Roda de conversa com os anfitriões, Cacique Altino Wera Mirim, Dona Santa Rosa da Silva e Dona Jandira Rosa Paraguassu, remanescentes fundadores da Boa Vista, sobre a caminhada sagrada, instalação da aldeia e luta pelo reconhecimento do território em 1987

11h às 11h30- Leitura da carta dos jovens da aldeia em homenagem ao cacique Altino Wera Mirim, a Dona Santa Rosa da Silva, a Dona Jandira Rosa Paraguassu e ao Prof José Roberto da Silva, primeiro indígena nascido na Boa Vista.

11h30 às 12h30 – Roda de conversa sobre o contexto atual e os ataques e perda de direitos na política indigenista no Brasil, com Marcos Tupã e demais lideranças e autoridades presentes

12h30 – Intervalo para o almoço típico guarani

14h30 às 14h50 – Apresentação do grupo de canto e dança Yyakã Porã, sob coordenação de Ivanildes Kerexu e Kuaray Alexendro.

15h às 15h30 – Mostra do documentário guarani “Jaguata Porã”, sobre a caminhada sagrada e história da Boa Vista, sob coordenação Kuaray Alexandro

15h30 às 16h – Dança Tangara, com os grupos Xondaro Mirim Mborai, Nhamandu Nhemompu’ã

16h às 16h40 – Dança Xondaro com os grupos Xondaro Mirim Mborai, Nhamandu Mhemopi’ã e Yyakã Porã

17h às 17h30 – Canto e dança dos grupos e participante todos juntos para confraternização e degustação do Bolo de comemoração feito pelas confeiteiras da aldeia e apoiadores

18h – Encerramento do primeiro dia

Sábado, 14 de março de 2020 – Dia dos festivais da cultura guarani

08h30 às 09h30 – Café da manhã, cozinha coletiva

09h30 às 10h – Pintura corporal, sob coordenação de Mirim Valdeci, Adelino Mimbi e Alex Karai

10h às 10h20 – Abertura com apresentação do grupo de canto e dança Xondaro Mirim Mborai

10h30 às 10h40 – Composição da mesa de anciões da comissão julgadora do festival

10:50 às 12h30 – Primeira etapa do festival Xondaro

12h40 – Intervalo para o almoço típico guarani

14h30 – Composição da mesa de anciões para a segunda etapa do festival: Chicha Kaguyjy, bebida feito de fubá e canjica

15h às 15h45 – Festival de Rora, comida típica feita de milho ou fubá

16h às 16h20 – Ritual de agradecimento com participação dos convidados

16h30 – Falas de agradecimento da organização, parceiros e apoiadores

17h – Encerramento

Funcionario