Festival da Mata Atlântica é sucesso de público e marca um novo momento para Ubatuba

Festival da Mata Atlântica é sucesso de público e marca um novo momento para Ubatuba

Ubatuba detém uma das maiores áreas contínuas do bioma Mata Atlântica do país. Sua alta biodiversidade e a ameaça de extinção de espécies que só existem por aqui demandam esforços para sua proteção e uso sustentável.

Com objetivo de estimular a conservação, difundir a informação sobre o tema e incentivar o turismo ecológico, aconteceu, de 27 de maio a 7 de junho, a 6a Edição do Festival da Mata Atlântica e a 2a Edição da Semana do Mar.

Organizados em parceria entre a Prefeitura de Ubatuba, o Projeto Tamar e o Aquário de Ubatuba, com apoio da FundArt e da Comtur, os eventos reuniram milhares de pessoas e sua programação incluiu diferentes atividades acadêmicas, culturais, educacionais e artísticas.

Apresentações como a do Fandango Caiçara, a Banda Lira Padre Anchieta, o Coral Indígena Guarani e também a 10ª edição da Caminhada pelo Meio Ambiente foram atrações durante as comemorações de três datas festivas ecologicamente importantes: Dia da Mata Atlântica (27/3), Dia Mundial do Meio Ambiente (5/5) e Dia Mundial dos Oceanos (8/5).

Além de autoridades da esfera municipal, o festival contou com a participação de representantes do poder estadual, federal e mais de mil alunos de todas as escolas do município, que participaram ativamente de palestras e oficinas, assim como o curso de observação de aves.

Destaque para a mesa que debateu a necessidade e a possibilidade de uma Universidade Federal em Ubatuba.

Outros destaques foram a oficialização da instalação do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres do Instituto Argonauta e a assinatura da lei pelo prefeito Mauricio que protege as cachoeiras da cidade.

“A lei chega para dar a garantia de que o município tenha a última palavra antes de qualquer obra que altere nossas paisagens e cachoeiras”, explica o chefe do executivo ubatubense.

A novidade desta edição do festival foi a base central, instalada em praça pública, na orla da Praia do Itaguá (Praça da Baleia). Além da tenda, as atividades ocorreram também nas instalações do Projeto Tamar, no Aquário de Ubatuba e nas Unidades de Conservação (PESM e PEIA).

Na organização do evento, a Prefeitura contou com o apoio de voluntários do curso de Biologia da Faculdade Módulo, de Caraguatatuba.

Os estandes da tenda foram ocupados por parceiros: Projeto Tamar, Aquário de Ubatuba, Fundação Florestal, Casa do Artesão, SUP Ecológico, Artesanato dos índios Guaranis, Gengibre de Ubatuba, Projeto Garoupa, Sala Verde, APPRU, Polícia Militar Ambiental e artistas das oficinas da FundArt.

Em conjunto com a Sala Verde, da Prefeitura, foram atendidas mais de 1500 crianças das escolas da rede pública municipal, que participaram de ações de educação ambiental, artes, trilha sensorial e curso de observação de aves.

Além disso, as atividades de educação ambiental incluíram a alimentação interativa dos pinguins no Aquário e as oficinas de papel reciclado e alimentação de tartarugas marinhas no Tamar.

No período noturno ocorreram palestras, mesas redondas, cursos ligados aos temas ambientais. Em média, 80 pessoas participaram de cada mesa.

Paralelamente ao evento, ocorreu o Tropixel Mozila Global, desenvolvido pelo grupo Ciência Aberta de Ubatuba.

As atrações culturais e artísticas foram outro diferencial desta edição.
Além das apresentações artísticas e culturais regionais como a Folia do Divino, o Grupo Concertada, grupo Ô de Casa, Fandango caiçara e banda Lira Padre Anchieta, a programaçnao incluiu também apresentações da cantora Andreia Dias, do cantor Luiz Perequê e do Grupo Tarancón.

Secretário municipal de Turismo, João Corbisier comentou sobre a participação de turistas e moradores.

“Isso foi muito importante para demonstrar o potencial da cidade no turismo ecológico, na conservação e no uso sustentável da Mata Atlântica”, comemora João.
Para o Secretário municipal de Meio Ambiente, Juan Prada, a diversidade da programação resultou no sucesso do evento e na ampla participação das pessoas.

“Com doze dias de programação durante os períodos da manhã, tarde e noite, conseguimos agradar e garantir a participação de pessoas de diferentes idades, classes sociais, com diferentes interesses”, afirma Juan.

Já Hugo Gallo, proprietário do Aquário, destaca que a união de esforços entre os setores público e privado. “O evento tem uma característica, uma identidade. Isso faltava no município. O festival marca um novo momento para Ubatuba”, disse Hugo.

“Nossa cidade está inserida em um dos maiores santuários naturais do planeta e é um dos principais pontos turísticos do país. Neste contexto, o evento cumpre duas funções. A primeira é que ajuda a defender o meio ambiente, difundindo informações, educando as crianças, promovendo debates. A segunda é que movimenta Ubatuba em plena baixa temporada e mantém a cidade movimentada mesmo nos meses de frio. Seguiremos firmes na defesa da riqueza natural ubatubense e vamos trabalhar para o festival ser cada ano maior e mais representativo”, finaliza o prefeito.